Apresentando

Apresentando
Apresentando os clássicos da Sociologia ao meu lado. Da esquerda para a direita: Karl Marx, Èmile Durkheim, Max Weber e Florestan Fernandes

sexta-feira, 21 de junho de 2013

É bem vindo! Amanhã será outro dia!


A participação de bandeiras partidárias nas manifestações é legítima e democrática, afinal, quero deixar aqui um esclarecimento que deve ser entendido pelos manifestantes: a hostilidade contra movimentos sociais e partidos políticos é um verdadeiro retrocesso, na breve história republicana, precisamos entender que a conquista da democracia foi realizada através de muita perseguição, torturas e mortes, muitos pagaram com a vida e os que sobreviveram continuam lutando, agora por justiça social, como diz um dos cartazes da manifestação: a juventude de 68 apoia a juventude de 2013. Portanto que fique claro e insisto nessa análise; a pluralidade de partidos é uma conquista nossa, e das gerações passadas, proibir a permanência de bandeiras partidárias ligadas à direta, à esquerda ou ao centro fortalece e não diminui e muito menos desqualifica as mobilizações,  já que o descontentamento presente, nesse novo formato de movimento social, nos mostra que a insatisfação não está numa pessoa ou em um determinado partido, embora reconheço o enfraquecimento do ponto de vista ideológico de algumas siglas, e outras tantas que se quer sabem de lado estão. Entretanto, eu deixo aqui minha singela opinião; ou mudamos a nossa atitude ou caminharemos a passos largos rumo ao fascismo e que façamos uma reflexão do filósofo e pensador político italiano, Antonio Gramsci: os ''partidos'' podem se apresentar como os mais diversos nomes, incluindo o de antipartido ou de ''negação''. 
VIVA A DEMOCRACIA, VIVA A JUVENTUDE E VIVA O POVO BRASILEIRO!