Apresentando

Apresentando
Apresentando os clássicos da Sociologia ao meu lado. Da esquerda para a direita: Karl Marx, Èmile Durkheim, Max Weber e Florestan Fernandes

sábado, 28 de março de 2015

Número de filhos de beneficiários do Bolsa Família tem diminuído, diz pesquisa

PRECONCEITO
Os números de filhos até 14 anos por mulher, colhidos nas sucessivas edições da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad),  do IBGE, mostram que não passa de preconceito a visão de que as mães beneficiárias do Bolsa Família procuram ter mais filhos para receber mais dinheiro do governo. O pagamento por filho até 15 anos de idade é de R$ 35 mensais.
O valor pode chegar até R$ 77, no caso das famílias extremamente pobres, sem nenhuma renda. “Atribuem aos mais pobres um comportamento oportunista em relação à maternidade, como se essas mães fossem capazes de ter mais filhos em troca de dinheiro. Isso é puro preconceito”, analisa a ministra do  Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello.
“Quem diz isso não pensa quanto custa ter um filho. É óbvio que este valor não paga o leite da criança e as despesas que virão depois. Além disso, o preconceito parte do princípio de que o que move as pessoas para a maternidade ou a paternidade é apenas uma motivação financeira”. (...)
Matéria completa clique no site: BRASIL

quarta-feira, 18 de março de 2015

As manifestações "pacíficas" do dia 15 de março!





Uma parcela significativa da sociedade paranavaiense saiu às ruas no último dia 15 de março, para "protestar", vestidos de verde-amarelo e com muita disposição, colocaram o bloco na rua para pedir, entre outros desejos, a intervenção militar, estado democrático, a saída da presidenta, moralidade na política e fim da corrupção praticada pelos políticos, é claro!
No Brasil, a data foi escolhida pelos seus organizadores, em âmbito nacional, não por coincidência, pois comemorávamos, na ocasião, o dia que a nossa, ainda, frágil democracia, completava 30 anos, sem dúvida uma data histórica e que merecia uma grande festa do povo brasileiro, afinal uma conquista pleiteada a duras penas, mas diante da atual conjuntura política econômica, assistimos, uma verdadeira "salada" de reivindicações, algumas, inclusive exigindo a monarquia, Salve Dom Pedro II, difícil de acreditar mas imagens captadas nos milhares de "selfies" provam a ignóbil ação de alguns indivíduos e grupos. Ora, parece que é uma obrigação ser politizado a qualquer custo, como se o pedigree intelectual que muito dessas pessoas nunca tiveram aparecesse agora em forma de revolta política, ou melhor de política infantilizada, semelhante à torcida de futebol, e o caminho mais fácil para se atingir esse status, é atacar a presidente, enfim, é só reproduzir um discurso e pronto, não imaginavam, que a coerção conjuntural os levasse a uma exposição ridícula. Eu não estive presente porque me deparei com um verdadeiro abismo de falta de politização e conhecimento histórico, palavras de ódio, machismo e cartazes desprovidos de consciência política. Tudo hoje é muito midiático, muitos não tem tempo para pesquisar, duvidar ou ler mais que uma página, não vi cartazes pedindo Reforma Política, ou qualquer referência ao nosso legislativo nacional, sou brasileiro e apoio a mobilização popular acreditando que seja a melhor maneira de assustar a classe política, mas daí, sair às ruas pedindo a “intervenção militar”, “prisão para Karl Marx”, “abaixo a pedagogia de Paulo Freire”, “impeachment da Presidenta” pra mim fica difícil a compreensão. Diante dos acontecimentos, chegamos a uma conclusão: precisamos mais do que nunca de uma Educação emancipadora, libertadora e crítica, por isso mais Paulo Freire, mais Marx, mas Weber mais Florestan Fernandes, mais Foucaut, mais Marilena Chauí, mais e mais ...Sociologia, Filosofia, História e Geografia, Artes e Letras…
Viva a Democracia!

Impeachment não é a resposta à atual crise.

Matéria da Carta Capital, *Por Rodrigo Rimon Abdelmalack, editor-executivo da DW Brasil.


"Ao sugerir que a solução para a corrupção endêmica seja a saída de Dilma, manifestantes evidenciam seu raso entendimento do regime democrático no país".

Centenas de milhares de pessoas foram às ruas participar das manifestações convocadas para este domingo 15 por organizações diversas em dezenas de cidades do Brasil e do exterior. O objetivo da maioria: cobrar o impedimento da presidente, acusando-a de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.

E não pode ter sido coincidência a escolha desta data para exercer este precioso direito garantido pela Constituição, já que neste dia nossa jovem democracia completou seus 30 anos, após a posse de José Sarney na Presidência, em 1985.

(...)Sobre esse cenário espalha-se ainda, como uma sombra, o novo moralismo, que carrega o debate político com discursos de ódio, potencializados, entre outros, pelo avanço da fração religiosa intolerante e pela falência do sistema educacional. E a corrupção, sempre a corrupção.

Viva a Democracia!

Leia a matéria na íntegra clicando AQUI.



quarta-feira, 11 de março de 2015

O estudante de escola pública que passou em 4 faculdades de medicina

"Nada como começar as aulas, noticiando o sucesso alcançado por um aluno de Escola Pública. Que essa notícia sensibilize não só estudantes mas toda a classe política do nosso país". (Prof: Carlos)


Aluno que estudou a vida inteira em escola pública conta como passou em 4 faculdades públicas de medicina.

Wester da Silva Vieira, de 19 anos e aluno de escola pública em Vitória da Conquista, foi aprovado em quatro universidades para Medicina após submeter a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ao Sistema de Seleção Unificada (Sisu). (...)

“Estudei sozinho. Não fiz cursinhos, pois achei que o que precisava estava além daquilo, e também porque o preço estava salgado para o bolso da minha família”, contou o estudante, que teve 880 pontos na prova de redação do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e 735 nas provas objetivas. (...)

Clique aqui e veja a matéria completa:


Suspensão da Greve: uma lição de Cidadania!

         

Nem ACP e nem Coxa, a vitória é do povo Paranaense!


         Sempre é bom lembrarmos que em Governos Neoliberais, as greves não se encerram, mas pairam como um espectro, que atormentam os políticos e mobiliza os trabalhadores (as). Ficou provado de uma vez por todas que a luta, via movimentos sociais, é a grande ferramenta revolucionária de mudança.
          Foi uma verdadeira aula de cidadania realizada nas ruas em todo o Estado. Todos os paranaenses foram contemplados de alguma forma com a nossa luta: a Escola Pública foi revelada, a mídia golpista denunciada, deputados (as) foram desmascarados (as) e o Governador desaprovado por 76,2% da população do Paraná. Colocamos fim ao “tratoraço” e garantimos os nossos direitos sagrados de anos de lutas. Quero agradecer a cada um e a cada uma que, durante esses 28 dias que tivemos em greve, nos apoiaram e compreenderam que tudo que buscamos é a qualidade da nossa Educação Pública, Gratuita e de Qualidade. Para concluir vamos lembrar de uma célebre frase de Leonel de Moura Brizola: “A educação é o único caminho para emancipar o homem. Desenvolvimento sem educação é criação de riquezas apenas para alguns privilegiados.”