Apresentando

Apresentando
Apresentando os clássicos da Sociologia ao meu lado. Da esquerda para a direita: Karl Marx, Èmile Durkheim, Max Weber e Florestan Fernandes

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Degradação do Patrimônio Público: de quem é a culpa?

Destaque para a frase: "Construindo o futuro".
A Lei da Ação Popular (Lei 4.717, de 29.6.65) define Patrimônio Público, em seu artigo 1º, parágrafo 1º, como o conjunto de bens e direitos de valor econômico, artístico, estético, histórico ou turístico pertencentes aos entes da administração pública direta e indireta. 
Patrimônio Público, já foi tema de inúmeras teses defendidas, vários pensadores da Antropologia, da Ciência Política, historiadores e sociólogos tem se debruçado sobre o tema, que carrega em si o fenômeno de ser histórico, ou seja, é antigo e atual ao mesmo tempo, pois convivemos em nossas relações sociais, com o Patrimônio Público, seja ele histórico material ou imaterial. Ao perpassar por alguns estudos, encontramos algo que é consenso entre os estudiosos: o fato preocupante está na conservação do Patrimônio pelos indivíduos de uma mesma sociedade, e outro consenso, está na culpabilidade dos estragos patrimoniais, neste último, encontramos a solução que parece simplória que reside, exclusivamente, na  Educação. Marx via na Educação a grande solução para romper o abismo da alienação, demonstrado ser através da Educação a solução de liberdade da classe trabalhadora das armadilhas do capitalismo. Trazendo a discussão para a questão do Patrimônio, colocamos a seguinte situação como exemplo concreto: saberá uma criança definir o bom senso, a ética, a moral se tão pouco conhece os mais básicos dos ensinamentos transmitidos pelos seus pais? Ou seja, a Educação voltada para a emancipação da cidadania completa deve almejar uma transmissão de conhecimento capaz de compreender a importância da memória coletiva, e mais, os indivíduos precisam se deparar consigo mesmo no processo coletivo social, fazer parte e se auto-construir nas relações sociais. Como cobrar apenas do poder público  se este é feito de pessoas integrantes de uma mesma sociedade, não devemos tratar o poder público como algo transcendental, abstrato e neste caso, identificar de quem é a culpa é nos identificarmos como participantes do desenvolvimento da nossa sociedade. e evidenciar a ineficácia do aparato governamental em fazer algo que deveria ser a preocupação primeira, que é a educação para a cidadania, conservar, manter e disseminar a preservação da memória coletiva. 



Um comentário:

Valdecy Alves disse...

Acesse matéria que fala de importante vitória da cidadania, em defesa da preservação do patrimônio histórico e da cultura, SENTENÇA PROCEDENTE EM AÇÃO POPULAR. ACessar em: http://valdecyalves.blogspot.com/2011/04/acao-popular-julgada-procedente-materia.html